11 de fev de 2009

Não aceitou o debate

O consórsio Siga e o sindicato dos trabalhadores do transporte coletivo de Blumenau foram convidados para participar ao vivo do Jornal Meiodia da Ric Record desta quarta-feira, dia da paralisação. A intenção era oportunizar um debate e esclarecer o posicionamento de cada um, diante da necessidade do público em obter informações da paralisação dos ônibus na cidade. Os representantes chegaram à emissora no horário marcado, mas o empresário Jorge Humberto Sackel não aceitou o debate e somente se propôs participar da entrevista sem o confronto direto. Depois de o apresentador Alexandre José entrevistar o presidente do sindicato no estúdio, Betinho concedeu a entrevista no pátio da TV Record.

Ministério do trabalho

É no décimo primeiro andar do prédio onde fica a agência do banco do Brasil da Rua XV de Novembro, que foi instalado o ministério público federal do trabalho de Blumenau. O atendimento ao público começou no último dia 26 de janeiro. A vara também recebe os processos dos municípios vizinhos. Antes o material era encaminhado até Florianópolis. O procurador responsável é o Dr. Éder Sivers, que trabalhou na cidade de Natal. Depois de deixar o nordeste do país, o procurador teve uma rápida passagem pelo interior de São Paulo. Em Blumenau já adiantou que vai aplicar a lei devidamente quando denúncias forem apresentadas, principalmente no que diz respeito à segurança do trabalhador da construção civil.
Um dos casos citados pelo procurador foi à morte de um operário ocorrida no ano passado. Na oportunidade o funcionário caiu de um andaime. A morte aconteceu em um estabelecimento comercial, localizado na via expressa no bairro fortaleza.

Greve do transporte coletivo de Blumenau continua nesta quinta-feira

Foram mais de três horas reunidos em uma sala do ministério público federal do trabalho. Na mesa estava a diretoria do sindicato dos funcionários do transporte coletivo de Blumenau, seterb e consócio siga. No final o resultado não foi o esperado pela comunidade. A paralisação dos ônibus vai continuar nesta quinta-feira. Pelo menos nas primeiras horas do dia. De acordo com o procurador Éder Sivers, as empresas pediram até as nove horas de amanhã para verificar os reflexos econômicos que os itens solicitados pelos trabalhadores podem causar. Entre os itens citados pelo procurador estão os auxílios creche e alimentação e punições aplicadas contra o sindicato em manifestações anteriores.
Já a direção do sindicato mantém a posição e afirma que continua a paralisação até haver uma nova proposta do patronal. Depois do novo encontro no ministério público do trabalho, a categoria deve realizar uma assembléia para decidir o rumo da greve dos funcionários.
São 1260 funcionários que ficaram parados em frente aos portões das empresas e 228 ônibus permaneceram nas garagens.